Praias de Oeiras (Santo Amaro e Torre) já têm uma prancha de surf gigante com tecnologia Altice Labs

28/07/2020     Brightfloats / Surf

« Voltar a notícias

« Anterior   /   Próxima »

imagem da notícia

No dia 22 de julho foi colocada uma prancha de surf gigante na Praia de Santo Amaro de Oeiras e alguns dias mais tarde uma igual na Praia da Torre, com o objetivo de dar informações úteis aos veraneantes.

Atualmente, na Europa, a informação sobre a incidência UV-B para o público e os media, difundidas pelas instituições meteorológicas públicas, depende de sensores instalados em satélites. Os dados gerados são processados por softwares de modelos matemáticos para estimar a radiação UV-B ao nível do solo (sistema "Eurosun"). No entanto, esta informação apresenta-se com uma considerável margem de erro e imprecisões. Como consequência temos previsões com a mesma incidência UV-B e ao nível do solo, para enormes distâncias de território, por vezes maiores que países.

A Brightfloats desenvolveu o conceito de utilização de sensores UV-B ao nível do solo e distanciados entre si por 30 Km, tendo a Altice Labs desenvolvido todo o sistema de comunicações em tempo real e eletrónica associada, para além do sistema central de recolha, processamento e armazenamento de dados.

À entrada das duas referidas praias estão colocadas as pranchas de surf com 3,70 metros de altura e visíveis a grandes distâncias, fornecendo informação, através de um ecrã e-paper colorido, sobre a incidência solar UV-B, o horário das marés, a qualidade ambiental na praia (água, areal e ar) e os índices de risco de calor e de incêndio. De destacar que estas pranchas são totalmente autónomas em termos energéticos, pois todo o sistema foi desenvolvido tendo em mente um consumo de energia extremamente baixo, dado que é alimentado apenas por energia solar e baterias de apoio. Inovador é também o sistema de informação sobre o nível de UV-B, alimentado em tempo real por uma rede distribuída de sensores de UV-B de última geração, também estes autónomos em termos energéticos.

« Voltar a notícias

« Anterior   /   Próxima »