Ultra TV | Missão
16215
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16215,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.1.2,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1,vc_responsive
 

Missão

Missão

Na última década e meia a Altice Labs, anteriormente PT Inovação e Sistemas, tem vindo a realizar um conjunto muito significativo de desenvolvimentos em torno das plataformas e soluções de TV Interativa. Esta atividade tem sido particularmente bem-sucedida, com particular ênfase na plataforma MEO, com a criação de canais interativos, o desenvolvimento de aplicações interativas, as Gravações Automáticas e plataformas inovadoras como o MEO Kanal. Todos estes desenvolvimentos foram, na sua maioria, suportados numa plataforma proprietária da Microsoft (entretanto vendida à Ericsson), que se encontra num impasse tecnológico e cujo planeamento de novas funcionalidades não permite antecipar um ciclo de inovação como é fundamental neste tipo de mercado.

Para além disso, a proliferação de novos dispositivos, com capacidade para funcionarem como terminais de TV Interativa, aumentou significativamente com o acréscimo de “inteligência” dos próprios televisores, com o aparecimento de media centers que são verdadeiras Set-Top Boxes (STBs) como a Apple TV e o Google Chromecast, com a introdução no mercado de tablets e com o aumento da capacidade dos telemóveis. Este cenário permite extravasar o mercado alvo para a interatividade em TV muito para além da tradicional STB do operador.

Simultaneamente, as mudanças dos hábitos de consumo de TV, que privilegiam a visualização a pedido, por oposição ao tradicional uso mais linear, em que os espectadores são obrigados a assistir aos conteúdos em tempo real, obrigaram a um conjunto de evoluções tecnológicas que permitem, atualmente, em cima de uma rede de acesso público como a Internet, disponibilizar conteúdos com elevada qualidade de imagem, recorrendo a técnicas de distribuição adaptativa.

O projeto Ultra TV representa uma pedra basilar do roadmap de inovação e desenvolvimento da Altice Labs, SA, que reforça a importância dos avanços e contribuições científicas da Universidade de Aveiro e do Instituto de Telecomunicações de Aveiro para ir além do estado da arte nas diversas áreas tecnológicas de interesse em IPTV, na sua vertente de experiência de utilizador, e na componente de entrega de conteúdos em Over-The-Top (OTT).

Assim, a Altice Labs e os seus parceiros de consórcio, Instituto de Telecomunicações de Aveiro e a Universidade de Aveiro, decidiram iniciar o presente projeto, que pretende:

  •     Desenvolver um ecossistema de aplicações de TV Interativa, que permita suportar um serviço de TV com as funcionalidades mais avançadas do mercado, suscetível de servir de base a uma nova geração do MEO;
  • Que esse ecossistema seja suportado em normas abertas, como HTML5, MPEG-DASH, HbbTV e RDK, e possa ser alvo de desenvolvimentos por qualquer entidade com competências para tal;
  •  Que sejam suportadas STBs de operador, com o desenvolvimento das respetivas aplicações de suporte, mas também STBs abertas, bem como televisores “inteligentes”, computadores, tablets e telemóveis;
  •   Que o foco das aplicações seja facilitar o consumo de conteúdos a pedido de uma forma integrada, que vá para além da lógica linear dos alinhamentos tradicionais de canais;
  •    Que todo o ecossistema use tecnologias de distribuição adaptativa como base para a transmissão de conteúdos para que seja o mais agnóstica possível às redes onde em concreto vai ser usada, mas mantenha um elevado nível de qualidade de imagem, mesmo nos casos de utilização de conteúdos de UltraHD ou posteriores.

Pretende-se atingir estes objetivos, usando o know-how adquirido pelos elementos do consórcio nos últimos anos, extravasando de uma forma radical a mera reimplementação dos serviços disponíveis atualmente, privilegiando a experiência do utilizador (UX). Para isso serão desenhados novos modelos de interação com os conteúdos e com a própria interface e a sua exequibilidade no terreno será validada através de ensaios de campo.

Serão criados também novos serviços que permitam que esta plataforma possa sustentar soluções de recolha sistemática de dados de saúde, integradas numa lógica de promoção do envelhecimento ativo, dado que a TV continua a ser um elemento significativo da vida das pessoas mais seniores nos países desenvolvidos.

Na área ao nível da transmissão de rede serão, também, propostas arquiteturas com vista ao suporte de conteúdos UltraHD e será feita a sua avaliação num piloto de larga escala ao nível europeu, integrado num consórcio Celtic-Plus (Projeto MONALIS).

É nossa expetativa que este desenvolvimento venha a ser usado em Portugal como base para uma evolução do serviço MEO, mas também que tenha espaço para a sua utilização em outras geografias onde o grupo Altice está presente, nomeadamente França, Israel, República Dominicana e Estados Unidos.